-

* Operação contra apologia ao nazismo cumpre três mandados de busca e apreensão no RN.

A Operação Bergon, deflagrada nesta quinta-feira (16) contra um grupo extremista que fazia apologia ao nazismo e disseminava ódio a negros e judeus nas redes sociais, cumpriu três mandados de busca e apreensão no Rio Grande do Norte, segundo confirmou a Polícia Civil potiguar.

A operação foi comandada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, prendeu quatro pessoas e cumpriu mandados em sete estados do país.

 

Segundo a Polícia Civil do RN, dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Jardim do Seridó e o outro foi em Macaíba, na região metropolitana de Natal.

 

No entanto, não foram encontrados materiais suspeitos em nenhum dos nos locais procurados pela polícia. Nenhum suspeito foi preso.

 

Operação

As prisões que aconteceram foram em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense; em Valença, no Centro-Sul do Rio de Janeiro; e em Campinas e Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo. A polícia apreendeu facões, arco e fechas e livros sobre o nazismo.

 

Agentes saíram para cumprir, no total, quatro mandados de prisão e 31 de busca e apreensão no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.


Investigações

As investigações duraram sete meses e começaram após um alerta do Cyber Lab e da Homeland Security Investigations (HSI), órgãos do governo dos EUA.

 

Ainda em maio, a partir dessas informações, agentes da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav) prenderam um suspeito. A polícia apreendeu com ele um computador, um telefone e quatro videogames. Na análise dos aparelhos, agentes da Dcav descobriram que ele mantinha contato com adultos e menores.

 

O suspeito integrava grupos de WhatsApp cujos membros se autodeclaram nazistas, ultranacionalistas e nacional-socialistas.

 

O nome da operação faz alusão à freira francesa Denise Bergon, que usou seu convento para abrigar crianças judias entre alunos católicos durante a Segunda Guerra Mundial, evitando que fossem capturadas pelos nazistas.

Operação na pauta.

g1

Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

1 comentários:

Escrever comentários
16 de dezembro de 2021 22:48 delete

Essa gente cultora do ódio, da tirania e da barbárie mais se assemelha a criaturas selváticas, que no seio de uma sociedade civilizada para nada servem, senão para disseminar o ódio e poluir o mundo, movidos por concepções retrógradas e puro rancor.

Extremistas são, em sua maioria, criaturas toscas por natureza e incultas por opção.

Não conhecem a luz. Nutridos pelo ódio e conduzidos pela irracionalidade, vivem na escuridão !!

São extremamente nocivos à vida em sociedade. Necessário, pois, que sejam identificados e presos.

É um verdadeiro absurdo que em pleno século 21 tenhamos ainda de conviver com práticas e concepções estúpidas, insanas e abomináveis como essas relatadas na matéria em pauta - de racismo e apologia ao nazismo -, que remontam a um dos períodos mais tristes, trágicos e sombrios da história da humanidade.

Responder
avatar