* Agora: Centrão se afasta, Ciro faz aceno a Lula e diz que “servirá aos pobres”.

Após ver o “Centrão” recuar de um possível apoio para sua campanha, o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, “reconheceu” nesta quinta-feira, 19, que “comete alguns erros”, mas disse que quem quiser ajudá-lo terá que saber que seu governo “servirá aos mais pobres”. Além disso, Ciro acenou aos partidos de esquerda ao defender que a paz no País só será restaurada com a “liberdade” do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Não vou atravessar esse campo minado, consertar as coisas e trazer de volta as riquezas para a nação brasileira sozinho. Não tenho esse poder, preciso sinalizar a todos os brasileiros de boa-fé que não sou o dono da verdade, eu cometo erros. Não me custa nada reconhecer isso, mas nenhum deles foi por deserção”, afirmou. “Quem quiser, quem puder me ajudar, será muito bem-vindo, mas saibam daquela porta para fora que este governo que eu liderar servirá aos mais pobres e trabalhadores”, complementou.

Até a semana passada, Ciro tinha mais força e a preferência de pelo menos dois presidentes dos partidos do bloco formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade. Porém, recentes declarações polêmicas de Ciro provocaram desgaste e receio nos partidos, como um xingamento a uma promotora de Justiça, na ação movida por injúria racial em declaração crítica ao vereador paulistano Fernando Holiday, do DEM. Além disso, há resistência a propostas econômicas do pedetista, como mostrou reportagem do jornal O Estado de S. Paulo na edição desta quinta-feira.

Como mantém negociações avançadas com PSB e PCdoB, Ciro Gomes aproveitou para fazer uma aceno à esquerda, ao condenar o que chamou de “aberração” por parte do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) ao julgar um pedido de habeas corpus em nome do ex-presidente Lula. “Aquele domingo último foi uma das coisas mais assustadas que assisti. Como pode num domingo só tanta aberração lidando com coisas graves como a liberdade do maior líder popular do País”, complementou.

Na sequência, o pré-candidato condenou o “mau exemplo” da política brasileira e do Judiciário. “Olhando para a política o que vem todo só vem o mau exemplo, a roubalheira e o verdadeiro caos institucional. É procurador fazendo política, juiz fazendo política, invadindo as atribuições uns dos outros”, disse.
Ciro no colar, colou!
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »