* Eleitorado feminino foi estrela do debate SBT-Folha.

Apesar de momentos de confronto, o debate SBT-Folha-Uol teve um jeito de passeio no parque, uma certa leveza que não se registrou em outros. Ciro Gomes brincou com o gesticular de Henrique Meirelles com as mãos, imitando-o. Marina estava alegrinha, vestida de rosa. Guilherme Boulos chegou a declarar ao Cabo Daciolo, ausente no último debate, que estavam com saudades dele.
 
Mas o personagem principal do debate foi a eleitora brasileira, aquela que não está votamdo e, Jair Bolsonaro e se mostra inda indecisa em relação à sua escolha. Marina foi a primeira a dirigir-se às mulheres, e falou para elas em todas as suas respostas. Na intervenção final, disse que, numa família, quando há algum problema ou desentendimento, “ninguém chama o Meirelles não; chamam a mãe, a tia, para resolver…”.

Seus adversários também não se descuidaram do eleitorado feminino, e Boulos aproveitou a ocasião para chamar as mulheres para a manifestação anti-bolsonaro deste sábado.

Como sempre, porém, Cabo Daciolo roubou a cena ao perguntar e ser perguntado. Fez uma declaração de amor à própria mãe, prometendo, se eleito, dar valor a todas as mulheres e atribuindo a grande crise nacional ao fato de a mulher não ocupar no país o espaço que merece. No bloco anterior, o cabo deixara perplexa a platéia ao defender “a reciclagem do ser humano”.

Brincadeiras à parte, os piores confrontos foram mesmo pelos que lutam pela vaga para derrotar Bolsonaro no segundo turno – hoje, pelas pesquisas, nas mãos de Fernando Haddad, que teve um embate duro com Ciro Gomes. O candidato do PDT, respondendo a uma pergunta dos jornalistas, disse que não governará com o PT. Haddad, ao falar logo depois, disse ficar surpreso, revelando que, há poucos meses, fora convidado por Ciro para ser vice em sua chapa: “Não é assim que se faz política”.
Debate.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »