* Houve propina em 90% das MPs nos governos Lula e Dilma, diz Palocci.

No trecho da delação de Antonio Palocci divulgado nesta segunda-feira, 1º, pelo juiz federal Sergio Moro, o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil cita sete modalidades de cobrança de propina, enumeradas de “A” a “G”. Um dos tópicos trata de “venda de emendas legislativas”, no qual ele estima que “das mil medidas provisórias editadas nos quatro governos do PT, em pelo menos novecentas houve tradução de emendas exóticas em propina”.

“A prática de venda de emendas se tornou corriqueira, particularmente na venda de emendas parlamentares para medidas provisórias vindas dos governos, casos em que algumas MPs já contam com algum tipo de vício destinado a atender financiadores específicos e saem do Congresso Nacional com a extensão do benefício ilícito a diversos outros grupos privados; que em outras oportunidades a MP que não possui vício algum e ao tramitar pelo Congresso Nacional é acrescida de dispositivos que visam beneficiar financiadores”, afirmou Palocci.
 
Os outros tipos possíveis de corrupção, segundo enumera Palocci à Polícia Federal, consistem na utilização do cargo público para cobrar doações oficiais e de caixa dois em época de campanha, “sendo que tal modo de atuação era o mais comum”; solicitação de dinheiro “independente de época eleitoral”; “venda” de atos de ofício; “desvio simples de dinheiro público, através de destinação de recursos para entidades fantasmas, programas sociais fraudados”; e autoridades que “representam lobbies específicos”, como os diretores de agências reguladoras que recebem propina de empresas sob sua regulação.
Essa turma quer voltar é seu moço?
Veja.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »