* Bolsonaro: brasileiro "não sabe" o que é ditadura porque não houve ditadura no Brasil.

O presidente eleito Jair Bolsonaro conversou ontem (19) à tarde por telefone com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán. O primeiro-ministro está no posto desde 2010 e integra o Fidesz, partido de extrema direita que tem, atualmente, a maior bancada de deputados no país europeu. Orbán é alvo de críticas principalmente pelo política anti-migratória.

Bolsonaro disse que recebeu o telefonema para parabenizá-lo por sua vitória nas eleições de outubro. Orbán também teria manifestado a intenção de comparecer à posse do presidente eleito no dia 1º de janeiro. "Ele está muito feliz com a nossa eleição", disse Bolsonaro, na portaria do condomínio onde mora na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, ao voltar de uma agência bancária.

O presidente eleito falou sobre a possibilidade de firmar futuras parcerias com a Hungria. Ao descrever o país do Leste Europeu, ele ressaltou os impactos do regime socialista e destacou que o brasileiro “não sabe” o que é ditadura porque não houve ditadura no Brasil.

"A Hungria é um país que sofreu muito com o comunismo no passado, tem um povo que sabe o que é ditadura. O povo brasileiro não sabe o que é ditadura aqui ainda. Não sabe o que é sofrer nas mãos dessas pessoas."
Esse é igual ao Pelé, fato.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »