* Nos EUA, Eduardo Bolsonaro confirma mudança da embaixada para Jerusalém.

Como um enviado especial de seu pai na capital dos Estados Unidos, o deputado reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou nesta segunda-feira, 27, que a mudança da embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém é “uma questão de quando” e não de “se”. O deputado expressou a certeza sobre a tomada dessa decisão depois de sua conversa na Casa Branca com Jared Kushner, conselheiro e genro do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Kushner foi um dos principais articuladores da mudança da embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém em maio passado. A iniciativa, que significa o reconhecimento da soberania de Israel sobre Jerusalém, foi criticada mundo afora e acompanhada apenas pela Guatemala. A Organização das Nações Unidas mantém o tema em aberto, ciosa do fato de a Autoridade Nacional Palestina reivindicar sua soberania sobre Jerusalém Ocidental.
 
Eduardo Bolsonaro, porém, não entrou na questão relativa ao posicionamento da comunidade internacional. Questionado sobre os impactos dessa iniciativa sobre o comércio do Brasil com os países do Oriente Médio, ele surpreendeu ao propor uma forma de “suprir” essas perdas aos exportadores brasileiros. Chegou também a sugerir, como potencial solução, a intromissão do Brasil no conflito entre sunitas e xiitas no Oriente Médio.

“Se isso pode interferir alguma coisa no comércio, temos que ter alguma maneira de tentar suprir, caso venha a ocorrer esse tipo de retaliação”, afirmou. “Eu acredito que a política no Oriente Médio já mudou bastante também. A maioria, ali, é sunita. E eles veem com grande perigo o Irã (xiita). Quem sabe apoiando políticas para frear o Irã, que quer dominar aquela região, a gente não consiga um apoio desses países árabes”, completou Eduardo Bolsonaro.
Olha o boné do filho do presidente.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »