* Declaração do Ministro Ricardo Salles sobre Chico Mendes repercute nas redes e gera reações.

Uma declaração do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre seringueiro e ativista Chico Mendes virou o assunto mais comentado no Twitter brasileiro nesta terça-feira (12). Questionado na noite de segunda-feira (11) no programa Roda Viva sobre sua opinião em relação ao líder seringueiro morto em 1988, Salles rebateu: "Que diferença faz quem é Chico Mendes neste momento?". 

O chefe da pasta do Meio Ambiente disse que, na verdade, desconhece a história de Chico Mendes e que tão somente ouve relatos díspares sobre sua vida. "Do lado dos ambientalistas, mais ligados à esquerda, há um enaltecimento do Chico Mendes. As pessoas que são do 'agro', que são da região dizem que o Chico Mendes não era isso que é contado", continuou Salles, acrescentando que já ouviu de ruralistas que o líder ambientalista "usava os seringueiros para se beneficiar, fazia uma manipulação". 

"Se beneficiar em quê?", questionou o âncora do programa, Ricardo Lessa. "O fato é que é irrelevante", emendou o ministro, em seguida, encerrando o assunto. 

A declaração do ministro ocorreu pouco tempo antes de sua viagem para o oeste do Pará, que deve acontecer amanhã, 13. Salles integrará uma comitiva do governo ao lado dos ministros Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos). 

A visita é parte de uma estratégia que visa aumentar a presença do governo na região amazônica, conforme revelou reportagem de hoje do Estado. A iniciativa seria uma resposta ao Sínodo Sobre Amazônia, que será organizado em outubro, em Roma, pelo Vaticano. 

Políticos criticaram a fala do ministro e saíram em defesa de Chico Mendes. "Chico Mendes foi trabalhador, ativista, líder social, seringueiro, parlamentar, perseguido político, exemplo de luta. Deu sua vida pelo meio ambiente e foi covardemente assassinado pelo sistema. Respeite Chico Mendes, ministro", escreveu no Twitter a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ). A ex-ministra do Meio Ambiente e líder da Rede Sustentabilidade, Marina Silva, disse que Salles "não é ambientalista e é desinformado" e criticou a "ignorância do ministro".

Licenciamento

O ministro do Meio Ambiente também defendeu um modelo que inclua o autolicenciamento ambiental, através de declarações de empresas, e disse que os órgãos do governo devem "concentrar" esforços em casos de média e alta complexidade e risco. O autolicenciamento, segundo ele, poderia servir para casos em que há derrubada de vegetação em área rural ou troca de plantio de uma cultura. Já a área de mineração se encaixa em casos em que o governo poderia concentrar o "foco", tanto no licenciamento quanto na fiscalização. 

"A discussão não está no conflito da flexibilização, velocidade e, por tanto, ausência de rigor", disse Salles. "O Brasil experimentou nas últimas, talvez, duas décadas um gigantismo estatal sem precedentes. Gastamos o que tínhamos e o que não tínhamos de recursos públicos em muitos destinos que não são e não eram prioridade."
Mais um Ministro falastrão na pauta.
 Estadão
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »