* Senado adia eleição para presidência após impasse de 5 horas.

Após uma manobra do presidente interino do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e um impasse de cinco horas, os senadores adiaram para as 11h deste sábado, 2, a eleição para a presidência da Casa. A controvérsia tem como ponto central a definição sobre se a votação seria aberta ou secreta, como havia determinado o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli.

O voto secreto fortaleceria a candidatura de Renan Calheiros (MDB-AL), que busca ser eleito pela quinta vez para comandar o Senado. Isso porque alguns senadores que votariam nele em uma eleição reservada deixariam de fazê-lo se tivessem que declarar a opção abertamente, em função das investigações contra o emedebista – são dez inquéritos no STF abertos a partir da Lava Jato e seus desdobramentos.
 
Nome apoiado e articulado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Davi Alcolumbre presidiu a sessão por ter sido o único remanescente da mesa diretora da legislatura anterior a continuar com mandato. Embora tenha feito campanha e pedido votos a colegas, o senador do Amapá não se declarou candidato e presidiu a sessão normalmente.
 
Aliados de Renan e o próprio senador alagoano sustentavam que Davi Alcolumbre não poderia conduzir os trabalhos na Casa por ser um dos postulantes à presidência e que as questões de ordem levantadas por senadores pedindo a votação aberta não deveriam ser sequer analisadas, porque a sessão de hoje, denominada “preparatória”, se destinaria unicamente à eleição, sem espaço para deliberações.
Senado na pauta.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »