* Grupo polonês prepara investimento no RN, em Baía Formosa, e projeto pretende captar U$$ 100 milhões.

Um megacomplexo turístico de alto luxo para atrair milionários internacionais, onde um bangalô vai custar entre R$ 7,5 milhões e R$ 17,5 milhões, deve começar a ser construído no ano que vem ao longo de 6,5 km de praia no Rio Grande do Norte. O plano é do grupo polonês Gremi.
 
O projeto Eco Estrela, no município de Baía Formosa, a 100 km de Natal, quer ser comparável a destinos de prestígio e ambientalmente sustentáveis como Porto Cervo na Sardenha (Itália), Sotogrande (Espanha) e Mayakoba (México). Está prevista a construção de hotéis, instalações de resort e unidades residenciais de luxo.

O empresário polonês Grzegorz Hajdarowicz, do grupo Gremi, fará um “road show” por Nova York, Londres, Zurique, Luxemburgo, São Paulo e Lisboa, entre 18 de novembro e 15 de dezembro, para captar US$ 100 milhões (R$ 417 milhões) junto a investidores.

“Estamos prontos para começar a construção”, afirmou o empresário ao Valor. Greg, como é conhecido, fez fortuna investindo em companhias em dificuldade e recuperando-as. Tem negócios em setores como imobiliário, mídia, tecnologia e produção de filmes. Ele é proprietário do grupo de mídia Presspublica, que inclui o “Rzeczpospolita”, o principal jornal diário de economia da Polônia. Declara-se um apaixonado pelo Brasil e é cônsul honorário do país em Cracóvia.

O empresário conta que comprou 2.347 hectares no litoral do Rio Grande do Norte em outubro de 2009, em suas andanças turísticas pelo Brasil. Era uma plantação de cocos e tem, ainda hoje, 47 mil pés de cocos. Faz fronteira com o rio Curimataú e fica perto da praia de Pipa.

Nos últimos 10 anos, o grupo Gremi International montou o projeto. Obteve as licenças ambientais no fim de 2018 para começar a construir. No total, o empreendimento prevê até 2.641 unidades construídas em 553,79 hectares. Segundo a empresa, será o maior projeto de hospitalidade de luxo na América Latina.

A primeira fase prevê construção de 185 unidades, sendo 127 bangalôs do resort e 58 residências. Cada residência vai custar entre US$ 1,8 milhão e US$ 4,2 milhões. Três mansões, com 5 dormitórios, serão colocadas no mercado por US$ 10 milhões. A construção de todo o projeto deve se estender por pelo menos oito anos. Mas a primeira fase deve chegar ao mercado em 2022, informou Piotr Maj, responsável pelo projeto no Brasil.

O complexo de alto luxo deverá ter spas, campo de pólo, estrutura para pesca, planetário, centro de proteção de tartarugas e lojas de grandes marcas. O foco do projeto é “na preservação do meio-ambiente”.

Proteger o ambiente é, sem dúvida, um desafio. O Rio Grande do Norte foi afetado pelo piche que vem sujando praias brasileiras. Baía Formosa, segundo o Ibama, também foi afetada. Maj observa, no entanto, que uma segunda análise feita pelo órgão estadual de proteção ambiental constatou que Baia Formosa não tem piche em suas praias. O Centro de Monitoramento do Rio do Norte, uma ONG que está trabalhando com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte e com a Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, informou ao grupo Gremi que a praia do projeto Eco Estrela não está suja de piche. “Estamos monitorando”, disse Maj. A ONG vai ajudar o grupo Gremi a montar o centro de proteção de tartarugas no Eco Estrela. Maj explicou que, segundo os especialistas, a mancha de óleo que está no mar está descendo em direção sul do país.

Gremi assinou contrato por 40 anos com a Six Senses, uma empresa especializada em destinos de luxo e que vai administrar as operações da primeira fase do projeto, ou seja, as 185 unidades. A Six Senses foi adquirida em fevereiro deste ano por US$ 300 milhões pelo grupo InterContinental, um dos maiores do mercado mundial de hotéis.

A primeira fase do projeto está avaliada em US$ 146 milhões. O investimento será estruturado como um “reserved alternative investment fund” (Raif), em Luxemburgo. O Gremi International, o grupo de Hajdarowicz, vai deter US$ 46 milhões. E busca investidores para os outros US$ 100 milhões.
Isso significa, explicou Maj, que o Gremi está vendendo 68% do projeto por US$ 100 milhões e ficará com 32%, fatia avaliada em US$ 46 milhões. O valor mínimo de entrada no projeto é de US$ 1 milhão.

Gremi diz que o projeto estruturado em Raif reduz significativamente riscos para os investidores comparados a outras opções de investimentos e deve gerar retornos atrativos. Greg menciona algo como 17% de taxa interna de retorno (TIR) por ano.

Uma vantagem do empreendimento é que Natal é uma capital relativamente perto dos Estados Unidos e da Europa. Pode atrair mais facilmente turistas de alta renda, que costumam viajar em seus próprios jatos.

“Esse projeto no Rio Grande do Norte ilustra como o interesse polonês por investimentos no Brasil está se diversificando”, disse o embaixador brasileiro em Varsóvia, Hadil da Rocha Vianna. “O Brasil por sua vez deveria aproveitar oportunidades concretas que, cada vez mais, a Polônia vem oferecendo”.
Empresário polonês Grzegorz Hajdarowicz, do grupo Gremi.
Valor
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »